A série Tales se despede do Playstation 2 em grande estilo

No papel de Luke Fon Fabre, filho de uma família nobre do Reino de Kimraska, aprenda a usar a poderosa habilidade chamada Seventh Fonon e descubra os mistérios que dividem um mundo em dois.

Acompanhado de Tear, Luke terá que aprender e enfrentar perigos nunca antes imaginados.

Quem não lembra do começo da aclamada série Tales? A franquia que começou no Super Nintendo e ficou marcada por ser um dos primeiros e únicos cartuchos do console a ter uma quantia de memória exorbitante para a época e, claro, o único a ter uma música de apresentação cantada. Talvez muitos não se recordem desses fatos, até porque em 1995 RPGs não estavam realmente no auge de sua popularidade, como foi após a chegada de Final Fantasy VII ao ocidente.

O que importa é que a série vem correndo desde a década de 90 e, enquanto nunca recebeu tanto foco como o tão famoso Final Fantasy, possui uma legião de seguidores igualmente grande.

O mais novo título da série chama-se Tales of the Abyss, e conta a história de Luke Fon Fabre, um garoto extremamente mimado que viveu toda a sua vida trancada em um castelo no reino de Kimlasca. Isso continuaria assim por um bom tempo se certo dia uma garota chamada Tear não invadisse o castelo tentando assassinar o tutor de Luke, Mestre Van. O encontro de Luke e Tear causa um estranho fenômeno chamado de “hiper-ressonância”, transportando os dois jovens para bem longe do reino.

Agora, acompanhado de Tear, Luke terá de enfrentar e aprender os perigos de um mundo que ele nunca sequer viu na frente. Mundo este que não chega a realmente impressionar devido a sua beleza gráfica, entretanto, a composição dos cenários e as cores escolhidas se apresentam em tamanha harmonia que dificilmente algo incomodará nesse quesito.

Os personagens já impressionam um pouco mais, embora também não sejam o ápice da beleza gráfica no console. O design composto por Kosuke Fujishima é de qualidade inegável, sendo que é quase impossível você não ir com a cara de algum dos integrantes do grupo. As vozes dadas a eles, diferente da última versão da série, Tales of Legendia, são extremamente adequadas e carismáticas, sempre se adaptando a narrativa interessante do game. É realmente legal ver uma dublagem de tamanha qualidade após o trabalho porco e inexpressivo do game anterior.

É claro que, como de praxe, os fãs assíduos da animação japonesa, como dita o clichê, certamente repudiarão a dublagem ocidental dada ao game. Faça uma favor a si mesmo e não ouça tais conselhos, ambos os trabalhos de voz são de ótima qualidade neste último episódio lançado da franquia Tales.

Passando um pouco para o sistema de batalha: Bom, se você já jogou algum capítulo da série com certeza já sabe um pouco do que esperar. Ao tocar um inimigo o jogo será levado para a arena de batalha. Nela você controla seu personagem enquanto o computador comanda os outros três membros de seu grupo. Nada chega a ser excessivamente complexo durante uma luta. Os botões que você mais usará será o de ataque, especiais e o bloqueio, usado para impedir que seu personagem perca grandes quantias de vida.

A melhor parte é que em Tales of the Abyss você poderá controlar seu personagem para todos os cantos do cenário e não apenas em linha, como em Tales of Symphonia. Essa possibilidade sozinha leva a estratégia à outro nível. Para que bloquear um ataque quando se pode desviar dele? E você ainda poderá contar com as poderosas Artes (os especiais) e ainda os Field of Fonons, que dão propriedades elementais para certas partes das arenas. Usar uma das Artes dentro desses campos geralmente resulta em um poder absurdamente destrutivo.

Em geral, Tales of the Abyss oferece muitas formas de se fortalecer e subjugar seus oponentes ao longo da história, embora nem tudo precisa ser explorado ao máximo realmente, sendo que a dificuldade raramente ficará extrema. A trilha sonora também faz jus ao nome da série, em momento algum decepcionando. São arranjos bem trabalhados e predominantemente alegres que se moldam à medida que a história evolui, a cada descoberta ou reviravolta apresentada.

Para por um fim: Cansado daqueles RPGs extremos em que você passa mais tempo ganhando níveis do que se divertindo? Tales of the Abyss é sua resposta. O jogo é incrivelmente fluente e conta uma história bem-humorada e dramática, de início pode até parecer manjado, porém, com certeza chegará a surpreender com suas cartas escondidas na manga.

Com um sistema de luta que prima a diversão (podendo ser jogador até por quatro pessoas) e side-quests suficientes para saciar até o mais hardcore dos jogadores, a história de Luke Fon Fabre e seus carismáticos companheiros, ainda que deveras linear, se faz sempre interessante.

Adeptos e não adeptos do RPG, fãs e não fãs da série Tales, eis o episódio da clássica série que pode agradar a todos vocês.
Fonte: Gamestart