O deserto de Nevada esconde em suas entranhas Las Vegas, uma cidade na qual as noites nunca parecem ter fim, com cassinos cheios de gente fazendo apostas e luzes piscando por todos os cantos. Mas tudo mudou com o ataque nuclear que caiu sobre os EUA na metade dos anos 50. A radiação se espalhou pelo país, Washington virou cinzas e o otimismo americano desapareceu. Uma pequena porção da população se escondeu em abrigos enterrados no meio da terra, os outros foram deixados à própria sorte junto com animais deformados, água e alimentos contaminados. O mundo nunca mais será o mesmo. Bem vindo a 2280. Bem vindo à Fallout New Vegas.

A vida de um entregador

Ao olhar para New Vegas a primeira impressão é que estamos vendo um mod de Fallout 3. Bem isso era de se esperar, já que a ferramenta de criação foi compartilhada entre os dois títulos. Mas muita coisa é diferente aqui. No lugar de um nascimento complicado, a história começa com um “bang”. Você será um entregador interceptado numa entrega nos arredores de New Vegas. Um tiro em sua cabeça marca o início de sua jornada. Seu corpo é deixado no meio do deserto Mojave tomado por uma vida animal que foi adulterada pela radiação. Felizmente um robô gentil, Victor, encontra seus restos mortais e leva para a cidade de Goodsprings, onde Doc Michell dá um jeito para que você volte à ativa – e descobrir quem ferrou com sua vida.

Voltar dos mortos não é uma coisa que acontece todos os dias. O entregador terá a opção de recomeçar do zero redefinindo a sua aparência da mesma forma que aconteceu em Fallout 3. O bom velhinho vai perguntar seu nome e idade antes de permitir que você saia perambulando por aí. Ele vai dizer que você é ESPECIAL (SPECIAL, o sistema de evolução da série) e mostrará quais são suas habilidades e inépcias. Depois disso você fará um teste psicológico que lembra muito a prova GOAT, mas com perguntas mais espertas e divertidas. As semelhanças vão além, como a posição de câmera e outros aspectos técnicos. No entanto, existem diversas novidades que somente a Obsidian poderia trazer à tona, aquilo que faz um Fallout ser um Fallout – afinal, foram eles que criaram a série.

Tudo começa com a criação dos personagens secundários, que vão trazer a história do jogo para os jogadores. Eles serão mais distintos entre si, com mais personalidade e mais profundos. Começando com os diálogos que serão influenciados dependendo de suas habilidades. Se seu personagem tiver, por exemplo, a skill stealth, ele poderá traçar planos de como invadir um acampamento inimigo. A eficiência e a credibilidade serão baseadas no nível que for a sua habilidade – quanto maior, mais chances de dar certo.

A simples decisão, como dar ou não um stimpack para um mendigo, podem influenciar as pessoas que você conhecerá no decorrer da história – e a forma que elas o receberão. Isso se deve ao sistema de reputação que vai rolar em paralelo com o karma de seu personagem. Isso vai evitar situações bizarras de Fallout 3 que mantinham a lealdade de NPC’s mesmo quando você fizesse algo muito, muito mail – alguém se lembra da bomba em Megaton City? Essa reputação de seu personagem vai percorrer pelo jogo. Histórias sobre o entregador serão ditas de boca em boca, vão cruzar o deserto e os cassinos até chegar ao ouvido das facções.

Essa parte é tão importante para o jogo quanto a história central. Em New Vegas seu personagem poderá se unir a facções, e elas não ficam restringidas entre a Brotherhood of Steel e o Conclave (que não estão confirmadas, mas certamente estarão presentes). As mais importantes, a Ceasar’s Legion e a New California Republic (NCR), possuem ideologias que podem ajudar seu personagem, mas também têm muitas contradições ideológicas que podem ir contra a direção que você pretende direcionar seu personagem.

O Que Acontece em Vegas, Fica em Vegas

O sistema de batalha permanece basicamente o mesmo. O VATS vai continuar ajudando na hora de concentrar os ataques em determinadas partes do corpo do inimigo, mas o melhor está nas armas. Elas poderão ser melhoradas em diversos aspectos, como um pente maior de balas, um recarregador rápido e outros apetrechos que ajudarão na hora do vamos ver. Até três itens poderão ser alocados em cada arma, fazendo com que suas decisões deixem o game mais afinado com o seu jeito de jogar.

Os produtores também estão satisfeitos com o que eles pensaram no ambiente do jogo. Os dois primeiros jogos da série traziam o mundo futurista que era imaginado nos anos 50, porém totalmente destruído. E não foram poucas as vezes que eles falaram que o terceiro jogo simplesmente ignorou esse fato. Por sorte a escolha do deserto de Nevada proporciona uma nova proposta e possibilita trazer aos videogames de hoje em dia o mundo que eles idealizaram em 1997.

Las Vegas não foi tão afetada pelo holocausto da mesma forma que a Capital Wasteland. Aqui o céu ainda é azul em determinadas horas do dia, os prédios continuam em pé, quase intactos, incluindo aí os cassinos. No entanto o perigo ainda espreita a cada canto que você anda. Sair vagando pelo deserto no meio da noite não pode ser uma boa ideia. Os Supermutants, por exemplo, são bem mais barra pesada do que os de Washington e vão prevenir que você vague de um lado para outro logo no início do jogo. Isso vai servir para que você entenda a trama principal antes de sair por aí procurando novas aventuras.

O Futuro-Oeste

O mundo de New Vegas é muito mais hostil do que você pensa. O jogo possui até um modo Hardcore, para aqueles que acharam Fallout 3 muito fácil. Esse modo pode ser ativado e desativado em qualquer nível de dificuldade e apenas torna as coisas mais normais para nós do mundo real. Quer um exemplo? Os stimpacks não curam automaticamente nesse modo. O efeito é lento, no qual é necessário aguardar algumas horas (sim, horas) para que sua saúde volte ao normal. Mas não é só isso. Com o Hardcore ativado o seu personagem terá que beber água limpa, caso contrário ele vai se desidratar e morrer. Sem falar do peso das munições que vão fazer muita diferença na hora de explorar os arredores.

As loucuras de Las Vegas não foram esquecidas, como casamentos feitos às pressas e strippers em cassinos. Porém New Vegas amplia essas esquisitices em diversos graus. Não serão raros os momentos que você estará andando pelos desertos e encontrará, por exemplo, um Supermutant drag queen. Isso mesmo, um ser todo deformado com músculos em todos os cantos do corpo e vestido de mulher. Isso se chama senso de humor. Isso se chama Fallout.

Essas liberdades somente os criadores da franquia poderiam tomar. Eles estão mais confortáveis com aquilo que têm nas mãos. Isso não quer dizer que Fallout 3 tenha sido um jogo ruim – e não foi mesmo –, no entanto talvez vejamos uma continuação genuína do universo criado pela Obisidian agora que eles voltaram à ativa. O mundo imaginado por eles, o senso de humor e as relações do personagem com o mundo será mais parecido com Fallout do que com Oblivion. Uma coisa, no entanto, continuará presente como todos os outros jogos da série: ao sair pela primeira vez para o mundo aberto, visão desolada pelo ataque nuclear vai preencher a tela, aguçando nossa curiosidade e a vontade de saber o que nos aguarda além da linha do horizonte.

Fonte: Gametv

Anúncios